OABTécnicas de Estudo

Tecnologias educacionais e a aprovação na OAB

tecnologias educacionais

Se antes da pandemia as tecnologias educacionais já vinham ganhando espaço, com o isolamento social elas se tornaram protagonistas nos processos de ensino de escolas e faculdades.

Isso também se reflete no mundo do Direito, desde as aulas cotidianas da graduação até a preparação para o Exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Em tecnologias educacionais, podemos pensar desde a sala de aula virtual até o uso de Inteligência Artificial que indica as matérias que um aluno está indo bem e quais precisa de reforço.

O que são tecnologias educacionais digitais?

Em resumo, as tecnologias educacionais têm o objetivo de facilitar o processo de aprendizagem através da, como o próprio nome diz, Tecnologia, principalmente para as nova gerações.

Levando em conta que muitos dos estudantes de hoje já nasceram nativos digitais, é de se esperar que sua forma de aprender também esteja integrada a esse ramo. Portanto, ela usa meios tecnológicos para fins pedagógicos.

Apesar de, a princípio, parecer algo muito avançado, as tecnologias educacionais já estão mais presentes no cotidiano do que podemos imaginar.

Quando um professor manda um e-mail para os alunos, cria um grupo para a disciplina no Facebook ou dá uma aula online, ele já está utilizando as tecnologias educacionais como meio de ensino.

No entanto, essa digitalização benéfica do ensino ainda pode ir muito além.

Quais as tendências de tecnologia na educação?

O isolamento social não só acelerou o processo de tornar a realidade ainda mais digital, como também instituiu a possibilidade de um ensino mais híbrido. Isto é, que concilie o presencial com o uso de ferramentas online.

Além disso, gerações como Z e Alfa já nascem inseridas nesse universo como verdadeiras nativas digitais. Portanto, o uso das tecnologias educacionais para sua educação não é apenas inovador, como também facilita seu processo de aprendizagem.

Exemplos de tecnologias educacionais

Uma das principais formas de se fazer isso tem sido através da gamificação — uso de técnicas de jogos para tornar um teste ou processo de aprendizagem mais dinâmico.

Além da educação, essa metodologia é muito utilizada em outras áreas, como treinamentos corporativos, processos seletivos, onboarding de empresas, entre outros.

Somados aos já citados grupos de Facebook, o uso de outras redes sociais para o ensino também pode ser considerado uma forma de inclusão das tecnologias educacionais.

Junto com elas, estão os aplicativos, softwares e dispositivos online. Eles aparecem desde maneiras para treinar um novo idioma até como método de organização, por exemplo.

Aplicativos que bloqueiam o celular durante o determinado período de tempo também podem ser usados com esse fim. Um exemplo é o caso do Forest. O aplicativo não só bloqueia o celular, com o intuito de incentivar o usuário a ter mais foco, como também “planta uma árvore (tudo digitalmente)” enquanto isso.

Caso mexa no aparelho durante o período de foco, a planta morre. A ideia é que, conforme use o app, a pessoa consiga construir o seu próprio jardim virtual.

O futuro ainda prevê outras possibilidades, como o uso de realidade virtual e realidade aumentada em sala de aula, e até mesmo da robótica.

No entanto, também é importante pensar em formas de como fornecer acesso e aos devidos aparelhos a todos. Principalmente em um país como o Brasil, em que a educação ainda não chega em todos os lugares.

A EduQC e o uso da Inteligência Artificial

Dentro desse contexto, a EduQC se encaixa nas tecnologias educacionais como um software que usa a Inteligência Artificial para mapear como estão os conhecimentos do estudante para o Exame da Ordem dos Advogados do Brasil.

Isso é feito através de uma personalização da jornada de estudos conforme a proficiência de cada aluno. Ela é mapeada por meio da realização de questões calibradas por dificuldade.

O perfil do aluno é identificado automaticamente pela IA de acordo com a quantidade de respostas certas ou erradas. Com isso, é determinada a probabilidade de acerto de um determinado conjunto de questões. Consequentemente, as chances de aprovação na OAB.

As avaliações diagnósticas contém dez questões por disciplina. O que a plataforma faz é utilizar a Teoria de Resposta ao Item (TRI) para definir a proficiência do usuário em cada uma delas.

Como a primeira fase da OAB tem uma quantidade de questões específicas — 40 de 80 questões ao todo — para o candidato passar para a segunda fase, a EduQC consegue identificar se ele seria aprovado ou não.

Além disso, consegue estabelecer quais disciplinas são mais relevantes na preparação do aluno para que atinja a média exigida na prova. Somado a isso, é possível até mesmo prever a evolução da chance aprovação.

Para o aluno, obter esses dados ajuda a guiar os seus estudos com base em dados concretos do seu próprio nível de conhecimento para a prova.

Já as instituições de ensino têm acesso ao desempenho de cada aluno por disciplina e assunto, índice de aprovação da IES na OAB, médias mais altas e mais baixas por disciplina.

Como usar os dados da EduQC para estudar para a OAB

Com os dados obtidos através da EduQC, o aluno pode utilizar as melhores técnicas de estudo para aumentar a sua chance de aprovação e a sua probabilidade de acertos nas disciplinas em que tem mais dificuldade.

Uma pesquisa feita com 32 mil usuários da plataforma, avaliados durante 30 meses, identificou que, comparado ao estudo teórico, a prática mostrou-se em média 37% superior e a revisão, 45% superior para o aprendizado.

Portanto, o aluno não só está mapeando seu conhecimento quando executa as questões, mas também colocando seus estudos em prática. Identificar esses erros e onde precisa melhorar será essencial para produzir o seu material de revisão, onde de fato seu aprendizado terá maior eficiência.

Esse é apenas um ponto que o uso da plataforma traz como benefício. E a partir dele, já podemos ver como as tecnologias educacionais são ferramentas mais que necessárias para o desempenho de estudantes.

 

Você já sabia com a EduQC funciona? Conheça a ferramenta e como implementá-la em sua instituição de ensino.

Deixe um comentário