Dicas

Estratégias para Provas Objetivas essenciais

Por março 16, 2020agosto 7th, 2020Sem comentários

Estratégias para provas objetivasVocê tem estratégias para fazer provas objetivas? Para ser aprovado, não adianta só saber a matéria, é preciso saber fazer a prova.

Mas, o que exatamente significa essa afirmação? Que não basta apenas estudar? Que é preciso entender e saber como é a prova? SIM. Esse é um dos maiores diferenciais: estudar a prova de concurso público que você vai realizar.

Aprender a ler e a responder questões de provas objetivas – verdadeiro ou falso ou mesmo de múltipla escolha – é essencial.

A melhor forma de se preparar para responder questões de provas objetivas e melhorar sua pontuação na prova é através de estratégias.

Nenhuma técnica funciona sozinha. O segredo está em conhecer e identificar os padrões da banca organizadora. Estas informações são úteis porque ajudam a perceber o que é importante enquanto estudamos.

Com base nesse contexto apresentado para você, faça uma autocrítica:

Como é fazer provas objetivas para você?

Tem alguma dificuldade em entender o que está sendo perguntado?

Você trata cada item da questão como verdadeiro ou falso?

Vamos começar definindo o que são provas objetivas. Basicamente, são aquelas que envolvem questões de reconhecimento de respostas corretas em que requerem uma busca na memória sobre o que aprendeu.

Temos 2 tipos de provas objetivas:

  • Verdadeiro ou falso
  • Múltipla escolha

Como resolver provas de Verdadeiro ou Falso?

As provas objetivas de verdadeiro ou falso são o tipo mais básico de questões, é preciso ter estratégias para realizá-las. O motivo: demoram menos tempo para serem respondidas.

Em concursos, é adotada normalmente pelo Cebraspe (antigo Cespe).

Alguns alunos têm a sensação de que essas questões têm muitas pegadinhas, mas não é verdade. Este tipo de interpretação acontece quando não conseguimos entender o que está sendo pedido ou não sabemos o conteúdo da disciplina.

E como fazer este tipo de prova?  É simples:

  1. Leia o enunciado atentamente circulando as palavras chaves.
  2. Seja objetivo ao responder. Responda de acordo com o autor do texto, legislação ou jurisprudência mencionada e não com a sua própria visão sobre o tema. Atenha-se ao que está sendo perguntado! Evite extrapolar o que está escrito.
  3. Para estar certa, a sentença tem que estar toda verdadeira, caso tenha alguma parte dela que seja falsa, então a sentença é falsa.
  4. Os itens certos geralmente são longos, politicamente corretos, acompanham a lógica, os princípios e o bom senso, e não contêm afirmações preconceituosas.

Estratégia para provas verdadeiro ou falso
Indicativo da afirmação ser verdadeira

O examinador dificilmente conhecerá todas as exceções. Para evitar que suas questões venham a ser anuladas, acompanham os itens certos com palavras inclusivas, que abram margem para as possíveis exceções.

Como “a princípio”, “predominantemente”, “fundamental”, “em geral”, “em regra”, “pode”, etc.

Exemplo:

“Entre os princípios fundamentais da República Federativa do Brasil inclui-se o princípio democrático, que se refere ao exercício direto e indireto do poder pelo povo.”

Correto!

Indicativos da afirmação ser falsa

Para criar itens falsos, as bancas adotam alguns procedimentos básicos, como inserir uma pequena falsidade. Veja esse exemplo:

“Entre os princípios fundamentais do Estado brasileiro, incluem-se a dignidade da pessoa humana, a construção de uma sociedade livre, justa e solidária e a concessão de asilo político. Além disso, a República Federativa do Brasil buscará a integração econômica, política, social e cultural dos povos da América Latina, visando à formação de uma comunidade americana de nações.”

A questão está quase toda certa, mas está errada! A constituição prevê a formação de uma comunidade latino-americana de nações!

Muita atenção. Veja que você precisa ler o item inteiro e dominar o conteúdo!

Inversões nas afirmações

Outra forma de criar itens errados é trocar conceitos (inversões). Uma maneira comum de verificar se você sabe sobre um assunto, um tema, é utilizar uma definição.

Para perguntas com definição, circule a palavra que está sendo definida e as “dicas de definição” como “definido”, “referido a”, “chamado de”, “também conhecido como”, “significa”, que é, envolve, etc.

Depois pergunte a você mesmo “O que eu aprendi sobre este termo que está sendo definido?”.

Uma vez que você consegue relembrar a definição que aprendeu e conseguiu comparar com as definições apresentadas na questão, você pode verificar se a sentença é verdadeira ou falsa.

Por exemplo:

“É fundamento da República Federativa do Brasil a construção de uma sociedade livre, justa e solidária.”

A questão está ERRADA, porque a construção de uma sociedade livre, justa e solidária é um dos objetivos fundamentais do brasil, não um fundamento.

Para não confundir os fundamentos, uma das estratégias válidas para estudar para provas objetivas é utilizando mnemônicos. No caso da questão acima, seria assim: So-Ci-Di-Va-Plu

Soberania
Cidadania
Dignidade da pessoa humana
Valores sociais do trabalho e da livre iniciativa
Pluralismo político

Pegadinha nas afirmações

As bancas também criam questões erradas ao colocar palavras muito fortes e assertivas, que não deixam margem para exceções (exclusivas).

Quando a opção é muito forte, não deixando brechas para exceções, geralmente são incorretas.

Palavras como “GARANTE, nunca, sempre, obrigatoriamente, totalmente, apenas, Jamais, Em hipótese alguma, Em tempo algum, De modo nenhum, Só, Somente, Unicamente, Exclusivamente, Tão-só, Tão-somente”.

Exemplo:

“Sendo a constituição, em essência, uma lei, os conflitos entre normas constitucionais e infraconstitucionais devem ser resolvidos a partir de uma ponderação de valores no caso concreto, em atenção ao princípio da proporcionalidade.”

A questão está errada, porque, nesse caso, as antinomias entre normas constitucionais e infraconstitucionais resolvem-se pelo critério hierárquico: a norma de hierarquia superior derroga a inferior.

A técnica de ponderação de valores e a aplicação do princípio da proporcionalidade tem lugar quando o conflito envolver normas de mesma hierarquia.

Mas CUIDADO:

Ao estudar, o candidato deve prestar muita atenção quando a doutrina, legislação ou jurisprudência prevê um dos casos acima. Essas exceções são bastante cobradas justamente para prejudicar quem responde com técnicas de chute.

Também é uma forma de criar itens falsos, usar duas verdades e dizer erradamente que uma é causa da outra (causa/consequência).

Em questões que envolvem relação, circule as dicas de “relação com”, “o aumentam”, “produzem”, “razões”, “efeito”, “afetam”, “porque”, “causam”, “resultam”, “desde então”, “criam”, “diminuem”.

Veja essa questão:

“De acordo com a CF, a forma de governo republicana no Brasil é considerada cláusula pétrea porque não pode ser modificada por emenda constitucional.

De fato, as cláusulas pétreas não podem ser modificadas por emenda constitucional.

Mas a forma de governo republicana não está nessa lista, que incluem:

I – a forma federativa de Estado;
II – o voto direto, secreto, universal e periódico;
III – a separação dos Poderes;
IV – os direitos e garantias individuais”

Talvez você não se lembre, mas já houve um plebiscito em 1993 sobre a forma e o sistema de governo no Brasil. O que faz com que está questão se torne errada.

Como resolver questões de múltipla escolha?

São três pontos fundamentais:

  • Ler cuidadosamente é essencial para responder questões de múltipla escolha corretamente.
  • Você deve separar a questão em enunciado e alternativas.
  • Seu objetivo é eliminar as opções incorretas que são distrações.

O que prestar atenção neste tipo de questão:

Leia a parte principal do enunciado e veja se consegue mentalmente terminar a sentença em sua cabeça.

Isto ajuda a puxar da memória o que você aprendeu, podendo a resposta vir imediatamente ou não, como explicado na aula anterior sobre os tipos de respostas.

Leia cada alternativa como verdadeira ou falsa. Ao isolar os itens, fica mais fácil para o seu cérebro achar o erro. Dai é só usar as mesmas estratégias que aprendemos para as questões de certo/errado.

Eliminando as distrações e as alternativas falsas, você tem que escolher entre as possíveis respostas verdadeiras. Assim, sua chance de acerto é significativamente maior!

Gostou? Ficou com dúvida? Escreva aqui abaixo!

Agora que você já conhece as estratégias para provas objetivos, se precisar de ajuda para a sua organização de estudos, pode saber como a tecnologia pode ajudar você nos estudos.

Confira também dicas para arrasar em provas discursivas!

Estratégia para provas de múltipla escolha

Deixe um comentário