Dicas

80% dos candidatos nunca passarão em concurso público

Por fevereiro 24, 2016Sem comentários

Para quem faz parte do mundo dos concursos, não é novidade que as chances de passar são baixas e que a vida terá de mudar muito durante a jornada de estudos, mas ninguém ainda havia tido de se deparar, numericamente, com essa realidade.
A EduQC Concursos fez uma análise com base em dados estatísticos, demográficos, atuariais e de contratações no serviço público, nas esferas federal, estadual e municipal, para  quem está se preparando para concurso público, e reservou dicas especiais para você integrar o clube dos 20% de pessoas que comemoram a vaga no serviço público, mesmo que isso custe quatro anos e nove meses – tempo médio de estudo para obtenção de sucesso nessa empreitada.
Para você ter uma ideia, hoje existem cerca de 12 milhões de pessoas na mesma situação que você. Muitas irão passar no primeiro ano, outras continuarão insistindo e uma outra parcela, pelos mais diversos motivos, desistirá desse mundo tão concorrido. A chance de passar no primeiro ano é muito pequena, sendo assim, insistir e persistir, por meio de métodos eficientes e eficazes de estudo, será essencial.
Cabe aqui um histórico de como evoluiu o mundo dos concursos desde antes da Constituição de 1988 até os dias atuais.  O QualConcurso dividiu essa evolução em eras, para você entender melhor como chegamos aqui. Confira!
Era da Indicação – Antes de 1988, os concursos não eram obrigatórios, diante disso, muitos cargos eram ocupados pela indicação de amigos ou conhecidos influentes.
Era dos Cursinhos  – Nos anos 90, o conhecimento sobre a forma de cobrança das bancas examinadoras ainda não era tão acessível como nos dias atuais, então um mar de pessoas inundava salas e mais salas de aula em busca do conhecimento que os professores, muitos deles ocupantes de cargos públicos, podiam transmitir. Essa modalidade de ensino não privilegiava muitas pessoas, devido ao alto investimento que a participação desse mundo demandava, e ainda demanda, e, também, devido à concentração desses cursos apenas nas grandes cidades.
Era dos Materiais – Nos anos 2000, com a popularização da internet, o alto conteúdo disposto em editais passou a ser destrinchado de uma maneira diferenciada, pois o conhecimento sobre o que as bancas exigiam estava à mão, por meio do histórico de provas aplicadas desde o início da obrigatoriedade dos concursos para a ocupação de cargos públicos. Assim, as pessoas, na tranquilidade dos seus lares, passaram a acessar a um custo muito menor daquele investido em um cursos presenciais, materiais elaborados com enfoque no conteúdo cobrado nas provas. E o melhor, cada um no seu ritmo.
Era das Máquinas – Estamos numa era na qual tudo inevitavelmente acontece mais rápido. Os materiais, que eram vendidos de forma individualizada, se propagaram pela rede e ficaram acessíveis a todos. Mas, quem estuda melhor, começa a dar passos mais largos nessa corrida, na qual não basta ser muito bom, tem que ser melhor do que aqueles que buscam a linha de chegada. Essa melhora, assim como acontece com os atletas de elite, só pode ser obtida por meio das melhores tecnologias. É aí que entra o QualConcurso, uma metodologia revolucionária de estudo, desenvolvida sob uma base completamente científica, sem achismos ou enganações,  e implementada num software on-line que mostra o seu desempenho passo a passo, dia após dia, enquanto você faz a sua parte e se dedica ao concurso dos seus sonhos.
Na EduQC Concursos, a nova realidade de preparação para concurso já chegou. Você informa o seu tempo diário para estudar e, baseado nos seus resultados nos simulados, obtém, na sua área exclusiva, um plano de estudos para medir seus avanços diários, por meio das diversas ferramentas disponíveis na plataforma.  Já imaginou saber o concurso que tem mais chances de passar? Você não vai ficar fora dessa, vai?
Leia nosso e-book4 passos para aprovação em concurso público” e saiba mais sobre essa tecnologia diferenciada, que se destaca num mercado com tanta “autoajuda” e tão pouca prática e comprovação científica.

Deixe um comentário